29.3.07

O que é vinho kosher

O vinho que Jesus e seus discípulos beberam na Santa Ceia era kosher, o único vinho permitido aos judeus. A Santa Ceia foi registrada no Novo Testamento por São Marcos e São Mateus, mas nenhum dos dois registrou o que foi comido, que pratos foram servidos.
Mas, certamente, essa refeição teve como objetivo celebrar o Pessach, a Páscoa Judaica, a festa do pão sem levedo, palavra que em hebreu significa proteção, “passagem”, “passar sobre” e deriva de instruções dadas a Moisés para libertar os israelitas do jugo do faraó Ramsés III, há 3000 anos.
Moisés informou ao faraó que se não libertasse seu povo, todo o primogênito no Egito seria morto. Para se proteger, os israelitas foram instruídos a marcar suas casas com sangue de cordeiro, pois assim suas casas seriam identificadas e o problema “passaria sobre” elas.
A Páscoa cristã deriva diretamente da judaica. Em ambas, o vinho e o pão constituem símbolos fortíssimos, mas com sentidos diferentes.
O local identificado como o da Última Ceia, o Cenáculo (deriva do latim “cena”, jantar, ceia) em Jerusalém, pode ser visitado ainda hoje. É segundo andar de um edifício no alto do Monte Sion, ao lado da basílica Dormition, onde Nossa Senhora teria morrido. No andar térreo, fica o túmulo do Rei David. Pois é, as histórias se entrelaçam.
Mas os significados são outros. No cristão, o corpo e o sangue de Cristo, representados pelo pão e pelo vinho, remetem à salvação do espírito e à vida eterna.
No judaico, o pão é o sem levedo, o matzo, servido para lembrar a pressa com os hebreus tiveram que preparar o seu êxodo do Egito. E quatro taças de vinho são obrigatoriamente bebidas, cada uma simbolizando uma ação relativa à redenção do povo de Israel. São bebidas em períodos distintos da ceia do Pessach. E a cada taça é feita uma benção, o “kiddush”, “santificação”.
Mas o que vem a ser vinho kosher?
Kosher quer dizer “apropriado”, o que segue as leis dietéticas judaicas, o “kashrut”.
O vinho kosher começa no vinhedo com o “orlah” – a proibição de usar os frutos nos primeiros três anos de plantio. Apenas a partir do quarto ano é que poderão colher e prensar as uvas. É o que também acontece num vinhedo novo administrado por não-judeus, que só começa a produzir mesmo a partir do quarto ano do primeiro plantio.
A maioria dos vinhedos israelenses observa também a lei da “shmita”: ao final de cada ciclo de sete anos, o vinhedo precisa descansar por um ano, nada será cultivado nele nesse período. Todos os débitos da vinícola são zerados ao final. Criativos, sem desrespeitar a lei, vendem a terra para um não-judeu amigo e a recompram ao fim de um ano. Nada se interrompe.
Do momento em que as uvas são prensadas até o engarrafamento, essas mesmas leis proíbem também que o vinho seja tocado e, em certos casos, até mesmo visto, por um não judeu ou por algum judeu não religioso.
Para garantir essas leis, as vinícolas kosher empregam apenas “haredim”, judeus ultra-ortodoxos, observantes rigorosos do Torah. Qualquer visitante de um vinhedo kosher será sempre acompanhado por um supervisor do ”kashrut”, assegurando-se de que nada seja tocado. Isso vale até mesmo para um judeu pouco zeloso religiosamente.
Na vinícola, caso alguém não judeu toque em algum lugar onde haja vinho, o mesmo se tornará impuro, não seria mais kosher. Mesmo na seção de engarrafamento, depois de colocadas as rolhas, só se pode tocar numa garrafa depois que ela seja devidamente lacrada.
Todas as substâncias utilizadas no processo, como levedos, sulfitos, ácido tartárico serão obrigatoriamente kosher.
Se esse vinho for manipulado e bebido por judeus, ele não será fervido. Caso haja a possibilidade de um não judeu tocar na garrafa (um garçom, num restaurante, por exemplo), a fervura se impõe - mas apenas durante 22 segundo numa temperatura de 87 graus. Não perderá suas qualidades.
O grande crítico e historiador Hugh Johnson (“A História do Vinho”, Companhia das Letras) diz que, por trás das antigas normas, “mais importante do que o que se bebe é com quem se bebe. Os judeus não devem aceitar vinho dos gentios. Tal intercâmbio social pode levar à intimidade, e a intimidade pode levar aos casamentos mistos”.
Os judeus produziam vinho desde os tempos pré-Bíblicos. Chegaram, na Antiguidade, a exportar vinho para o Egito e para várias cidades do império romano. Quando os muçulmanos conquistaram a Palestina em 636 da era cristã, impuseram uma proibição ao vinho (e ao álcool em geral) por 1.200 anos. A produção só recomeçou em 1870.
Na Páscoa Cristã, celebrada a oito de abril, o frade São Tomás de Aquino, o grande filósofo do século 13, explicava o sentido do vinho: ela só pode celebrar-se “com vinho da videira, pois essa é a vontade de Cristo Jesus, que escolheu o vinho quando ordenou tal sacramento [...] e também porque o vinho da uva constitui de certo modo uma imagem do efeito do sacramento. Refiro-me à alegria espiritual do homem, pois está escrito que o vinho alegra o coração do homem”.
A Páscoa Judaica começa na noite de dois de abril, com uma ceia ritual, estritamente familiar, onde quatro taças de vinhos são tomadas obrigatoriamente.
Para um rabino citado por Hugh Johnson, o vinho “ajuda a abrir o coração ao raciocínio”. O objetivo, portanto, não é a inspiração, a embriaguez.
Uma quinta taça é deixada sobre a mesa para ser bebida pelo profeta Elias (Elijah). Dizem que ele vai de porta em porta anunciando a vinda do messias judaico.
Estima-se que existam pouco mais de 13 milhões de judeus em todo o mundo. Assim, faz sentido pensar que o profeta, acabada a noite do dia 2, vai dormir alegre e profundamente até a Páscoa do ano que vem.
Leitora, não dispense o vinho nessa Páscoa. Se sentiu falta dos coelhinhos e do chocolate é porque vamos falar deles em outra coluna.

Nenhum comentário: